quarta-feira, 26 de março de 2014

Juiz e Promotor são expulsos por manifestantes em Arame

O juiz Holídice Barros e o promotor de justiça Carlos Róstão, ambos titulares da Comarca de Grajaú, mas respondendo por Arame, foram praticamente expulsos da cidade sob fogos de artifício durante uma manifestação de motociclistas.

A polícia militar nada pode fazer porque, segundo o magistrado, a cidade de Arame só tem um policial.

Tudo começou com uma campanha que o promotor Carlos Róstão está realizando na comarca de Arame para que os motociclistas cumpram o que determina a lei e só trafeguem usando capacete.

Além disso, o promotor fixou prazo para que a população se adeque a essa regra.

"Trata-se de uma norma que visa preservar a segurança do condutor da moto e da própria população", esclareceu o juiz Holídice Barros.

De acordo com as primeiras informações sobre a situação em Arame, parte da população que utiliza motocicleta, se recusa a cumprir a lei, e decidiram realizar, nesta terça-feira (25), um protesto, interditando a estrada que liga os municípios de Arame e Buriticupu.

O juiz Holídice Barros e o promotor Carlos Róstão, ao se deslocarem de Grajaú para a realização de audiências em Arame, foram hostilizados pelos manifestantes. Eles solicitaram à Policia Militar em Grajaú reforço, porem os policias ao chegarem ao local aconselharam o juiz e o promotor a deixarem a cidade, pois não havia condições de garantir a segurança dos mesmos, o que fizeram de imediato, suspendendo as audiências e os demais atos processuais já designados para o dia.

De acordo com Holídice Barros, os manifestantes comemoraram a saída deles com uma salva de foguetes.

A Associação dos Magistrados (AMMA) tomou conhecimento do problema no início da tarde, encaminhando ofício à Presidência do Tribunal de Justiça denunciando o clima de insegurança.

De acordo com o presidente Gervásio Santos, a situação de ameaça que o juiz Holídice Barros sofreu não diz respeito somente a ele, mas a toda Magistratura do Maranhão.

Fonte: Gazeta da Ilha