sábado, 23 de fevereiro de 2013

Julgamento de Gil Rugai na visão de um advogado e de um Promotor

Os Professores Luiz Flávio Gomes e Rogério Sanches Cunha trazem argumentos a favor e contra a condenação de Gil Rugai.

RS

De acordo com minha opinião, Gil Rugai poderia ser condenado em razão dos seguintes indícios: a presença dele no local dos fatos (confirmada pelo vigilante), o encontro da arma do crime no seu local de trabalho (na galeria de água pluvial), o encontro de um projétil na sua casa, o alegado desvio de dinheiro do pai, a lesão corporal encontrada em seu pé por ressonância magnética, a prova do solado do seu sapato (impregnado na porta que foi quebrada) etc.

ROGÉRIO SANCHES CUNHA Promotor de Justiça e Professor da Rede de Ensino LFG

 

 


Gil Rugai poderia ser absolvido em razão das incontáveis falhas periciais e investigativas, contradições e omissões: não houve perícia contábil para apurar eventual desfalque na empresa, a polícia não descobriu quem era a segunda pessoa que estava com o acusado no dia dos fatos, houve falhas na apresentação gráfica das perícias, o irmão do réu o inocentou, ele não confessou, não tem testemunhas presenciais, apresentou em plenário testemunhos positivos sobre sua pessoa, não foi feito o exame de resíduos moleculares do sapato e da porta, a perícia que confirmou a lesão no pé do acusado não fixou data, a perícia do sapato disse que ele é compatível com a marca na porta, mas não foi taxativa, a principal testemunha (o vigilante) se mostrou muito confuso etc.

 

 

LUIZ FLÁVIO GOMES
Jurista e Diretor-presidente do Instituto Avante Brasil.

Fonte: Atualidades do Direito