terça-feira, 6 de novembro de 2012

Filha corta o rosto em lata de doce e acusa mãe como autora da agressão

A 2ª Câmara Criminal do TJ manteve a absolvição de uma mulher acusada pela filha de agressão com uma lata de doce de caju. O processo transcorreu em comarca do interior e, após o juiz de primeiro grau julgar improcedente a denúncia, o Ministério Público apelou para o Tribunal de Justiça com pedido de condenação por lesões corporais contra descendente.

Segundo a peça acusatória, a mãe, prevalecendo-se das relações domésticas, ao encontrar uma lata de doce de caju aberta e vazia no armário, desconfiou da vítima, sua filha de doze anos. Teria, então, esfregado a lata aberta no rosto da menor, mandando-a "comer a lata também". A tampa do objeto, com pontas cortantes, teria causado lesões no rosto da vítima.

Contudo, os julgadores não encontraram elementos suficientes para comprovar a versão da menor.

Segundo a irmã da vítima, única testemunha que presenciou os fatos, a mãe apenas encostou a lata vazia na boca da menina, e esta esfregou o objeto em seu próprio rosto.

O desembargador Sérgio Izidoro Heil, relator da decisão, finalizou: “Os frágeis elementos de prova aludidos não são aptos para amparar a condenação da apelada pela suposta lesão corporal sofrida por sua filha.

Inexistem provas de que as lesões na face da vítima, constatadas pelo médico legista, foram ocasionadas pela denunciada, tampouco por outra pessoa qualquer”. A votação da câmara foi unânime.

Fonte: Tribunal de Justiça do Estado de Santa Catarina