quarta-feira, 11 de julho de 2012

Brasil e EUA terão grupo para acabar com vistos

Brasil e Estados Unidos assinaram hoje uma declaração para instalar um grupo de trabalho visando a isenção da exigência de visto para viajar de um país ao outro.

O grupo deverá se reunir até novembro em Washington.

Não há prazos especificados para que a exigência caia. O texto diz seguir a diretriz dada no encontro entre os presidentes Barack Obama e Dilma Rousseff, ocorrido em abril em Washington.

A declaração foi assinada pelo chanceler Antonio Patriota e a secretária de Segurança Interna dos EUA, Janet Napolitano, em Brasília. Ela deixa claro que não há nenhuma obrigação em atingir a dispensa, mas que a ideia é buscar adequar as leis brasileiras e americanas sobre o tema.

MUDANÇAS

Anunciado no final de abril, o novo sistema de vistos para os EUA criou dois postos para entrega de documentação em São Paulo: um na Saúde (zona sul) e outro em Pinheiros (zona oeste).

Antes, o candidato tinha que ir direto ao consulado. Agora, o processo foi dividido em duas etapas: primeiro, ele agenda via internet a ida a um dos postos, onde tira impressões digitais, foto e entrega a documentação. A segunda fase consiste na entrevista no consulado, no dia seguinte à ida a um dos postos.

A divisão foi criticada por candidatos ao visto, especialmente os de fora da cidade, que agora precisam ir duas vezes a uma representação dos EUA, o que pode significar mais um dia de hospedagem em São Paulo.

Na avaliação do consulado, o novo sistema traz mais vantagens do que transtornos.

O plano dos Estados Unidos é dar conta da demanda de visitantes brasileiros. O pedido de vistos aumentou 56% em março em relação ao mesmo período de 2011.

ATRASOS

Após as mudanças no esquema de pedidos de vistos, alguns atrasos ocorreram na entrega de passaportes, cujo prazo normal é de dez dias.

O novo sistema prometia ser mais ágil e moderno, principalmente na parte de envio do passaporte, já que forneceria um número de rastreamento pelo qual o solicitante poderia acompanhar o processo.

O tempo de espera para agendamento caiu, mas houve casos de atrasos de até 40 dias na entrega, e pessoas que precisaram viajar no período recorreram à PF e pediram passaportes de emergência --que custam mais e duram menos que os tradicionais.

No dia 28 de junho, o Consulado dos Estados Unidos em São Paulo anunciou já ter entregue todos os passaportes brasileiros que estavam retidos por conta dos atrasos.

Fonte: Folha de São Paulo