domingo, 4 de dezembro de 2011

2ª fase do Exame da Ordem da OAB é marcada por erros

A maioria dos candidatos se sentiu prejudicada por causa de dois erros verificados nas provas de Direito Penal e Constitucional do Exame da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), realizado neste domingo (4), em Alagoas. As falhas foram constatadas nos enunciados da peçade processual Penal e no ítem b do terceiro quesito da prova de Constitucional. Esses problemas poderão gerar de recursos.

De acordo com um dos membros da comissão de Exame da OAB/AL, Marcelo Monteiro, houve uma inversão de tipificação legal nas perguntas. Por conta disso, o Conselho Gestor, em Brasília, decidiu conceder mais 30 minutos para todos os candidatos, respeitando o direito de isonomia. “Infelizmente ocorreu essa errata. O Conselho ofereceu uma solução aos candidatos, mas aqueles que se sentirem lesados poderão recorrer, buscando os seus direitos” - disse.

É o que deverá fazer, por exemplo, o candidato Luciano Santa Maria. Ele fez a prova de Direito Penal e relatou que se sentiu prejudicado com a situação. “Trinta minutos após o início da prova, os fiscais entraram na sala e avisaram que o enunciado da peça iria mudar. Quinze minutos depois, outra informação de mudança. Ora, o candidato, já está sob pressão e ansioso, acaba se desestabilizando, podendo incorrer em erros que lhe custem a aprovação. Por isso, se achar que fui prejudicado, vou entrar com recurso” - afirmou.

O Exame da Ordem, realizado em Maceió, teve apenas três faltosos. Participaram do certame 555 candidatos. Para a candidata Riane Bispo, as provas foram boas. A mesma opinião teve a estudante Vanessa Araújo, do 10º período de Direito do Centro de Estudos Superiores de Maceió (Cesmac). Ela, que fez para a área administrativa, esperava a prova mais difícil. “Foi uma experiência bacana. Deu para fazer com tranquilidade” - declarou.

As candidatas Luciana Pontual e Thaciana de Fátima, ambas bacharéis em Direito, acharam que as provas tiveram um grau médio de dificuldade. “A peça processual foi tradicional, mas as provas subjetivas se mostraram mais complicadas; no entanto, estamos confiantes no sucesso”, disse a primeira.

Escolhendo provas das áreas trabalhistas, os candidatos Samuel de Melo e Jéssica Dantas mostraram a mesma opinião a respeito do nível do certame. “Foram provas que precisavam de bastante atenção dos candidatos, pois, como se trata de questões subjetivas, o embasamento deve ser o melhor possível para convencer a banca, mas, no geral, o Exame da Ordem foi bom e, agora, vamos esperar o resultado”, afirmaram.

Fonte: GazetaWeb