quarta-feira, 3 de agosto de 2011

Senado reconduz Roberto Gurgel para o cargo de procurador-geral da República

O Plenário do Senado aprovou há pouco a recondução de Roberto Gurgel para o cargo de procurador-geral da República. Foram 56 votos a favor e 6 votos contrários.  

Apesar de a votação ser secreta, declararam voto favorável a Roberto Gurgel os líderes do governo, Romero Jucá (PMDB-RR), do PSDB, Mário Couto (PA), do PMDB, Renan Calheiros (AL), do PCdoB, Inácio Arruda (CE), do PRB, Marcelo Crivella (RJ), do DEM, José Agripino (RN) e do PSOL, Marinor Brito (AP), do PR, Magno Malta (ES), do PP, Benedito de Lira (AL), do PMN, Sérgio Petecão (AC), do PTB, Gim Argello (DF), e os senadores Walter Pinheiro (BA) e Eduardo Suplicy (SP), que falaram pelo PT. 

Nesta quarta-feira (3), Roberto Gurgel já havia sido sabatinado pela Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ), onde teve seu nome aprovado com 21 votos favoráveis e apenas um contrário. Ele foi questionado sobre casos de maior repercussão, como o do mensalão e o do ex-ministro Antonio Palocci. E ouviu críticas dos senadores aos "excessos" do Ministério Público. 

Nomeado pelo ex-presidente Lula em 2009 para o mandato que se encerrou no início de julho, Roberto Gurgel deve voltar a exercer a função pelos próximos dois anos. Cearense, o procurador é casado, tem dois filhos e é graduado pela Faculdade Nacional de Direito, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Foi advogado no Rio e em Brasília e ingressou no Ministério Público em 1982, por concurso público. Entre 2004 e 2009, foi vice-procurador-geral da República.

Fonte: Agência O Senado